Democratas pressionam Senado por julgamento de Trump

Após aprovarem o impeachment, congressistas de oposição exigem convocação de testemunhas próximas ao presidente e ameaçam adiar encaminhamento do processo para os senadores.

20/12/19 – 10h39

Após a Câmara dos Representantes aprovar o impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, congressistas democratas pressionam o Senado, onde ocorrerá a próxima etapa do processo, para que algumas principais figuras ligadas ao presidente sejam convocadas para depor.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, afirmou que vai atrasar o envio do processo para os senadores até que haja perspectivas sobre como o presidente do Senado, o republicano Mitch McConnell, lidará com a questão. “Estaremos prontos quando virmos o que eles têm”, disse a democrata.

É possível que ela não leve o processo para os senadores até o final do recesso parlamentar de fim de ano, no início de janeiro. McConnell, porém, minimizou a questão, dizendo haver um impasse entre as duas partes. “Não estou certo qual vantagem há em não querer nos entregar algo que não desejamos”, afirmou.

Os democratas querem que McConnell convoque alguns dos aliados do presidente para depor, como o chefe de gabinete interino, Mick Mulvaney, e o ex-consultor de segurança nacional John Bolton. A aprovação do impeachment no Senado é bastante improvável. Para tal, seria necessário que 20 senadores republicanos apoiassem a medida, sendo que, até o momento, não há sinais de que isso possa ocorrer.

O líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schummer, disse duvidar que McConnell concorde com as convocações, mas, por outro lado, acredita que há uma quantidade suficiente de senadores republicanos que podem apoiar os democratas a forçar uma adoção de regras para o julgamento do impeachment, que incluiria os depoimentos de testemunhas essenciais para o processo.

O republicano acusou os democratas de sucumbirem ao que chamou de “paixões transitórias e partidarismo político” e desqualificou a aprovação do impeachment na Câmara. “A votação não reflete que algo teria sido provado. Apenas reflete o sentimento deles em relação ao presidente”, afirmou.

Nos bastidores, Trump estaria bastante irritado com o adiamento do processo por parte dos democratas. Ele acredita que a absolvição em um provável julgamento no Senado removeria parcialmente a mancha deixada pelo impeachment na Câmara, o que estaria agora ameaçado pela decisão de Pelosi de atrasar a entrega do processo para os senadores.

Trump é acusado de abuso de poder e obstrução dos poderes investigativos do Congresso, após supostamente ter pressionado o governo da Ucrânia a investigar um adversário eleitoral, o ex-vice-presidente Joe Biden, pré-candidato à presidência pelo Partido Democrata. O presidente também é suspeito de tentar barrar esforços dos congressistas americanos para investigar as ações da Casa Branca.

O presidente negou repetidas vezes que tivesse cometido qualquer regularidade e considera o processo uma “caça às bruxas”. Um julgamento no Senado após o recesso marcaria o início de um conturbado ano político, que culminará nas eleições presidenciais em novembro.

 

Deutsche Welle

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *