Alemanha procura mão de obra especializada de fora da UE

Chefe de governo Angela Merkel aponta necessidade de imigração de profissionais. Brasil está entre países cogitados para atuação em campos que vão de engenharia elétrica e informática à enfermagem.

16/12/19 – 09h41

Em seu podcast semanal, neste sábado (14/12), a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, alertou sobre a carência de mão de obra especializada do país, que poderá motivar companhias a se mudarem.

“Sabemos que muitos setores e empresas estão procurando trabalhadores qualificados. Sem suficiente mão de obra especializada, um estabelecimento empresarial não pode ter sucesso. Por isso é necessário fazermos todos os esforços para recrutar um número suficiente de especialistas. Senão, as companhias se mudarão e, claro, não queremos isso.”

No âmbito doméstico, Berlim pretende enfrentar a carência providenciando “bom treinamento para o máximo possível de cidadãos”. Ao mesmo tempo, considera recrutar mão de obra qualificada de outros países da União Europeia, e mais além.

No momento, 2,5 milhões de cidadãos de outros países da UE já atuam profissionalmente na Alemanha. “Mas só isso não basta, e é por isso que estamos procurando por trabalhadores especializados de fora da União Europeia”, afirmou a política conservadora.

A Lei de Imigração de Mão de Obra Especializada (Fachkräfteeinwanderungsgesetz), que entra em vigor em 1º de março de 2020, visa facilitar a vinda para a Alemanha de profissionais de países não pertencentes ao bloco europeu. Nesta segunda-feira, altos representantes da economia, sindicatos e governo alemães se reunirão para estudar a melhor maneira de colocar em prática a nova lei.

Um esboço do termo de compromisso a ser assinado ao fim do encontro, citado pelo grupo jornalístico Redaktionsnetzwerk Deutschland (RND), defende a contratação de pessoal adicional e a criação de uma unidade central para acelerar o processamento de vistos. O ensino do idioma deverá igualmente ser expandido, permitindo aos candidatos completarem os cursos ainda nos países de origem.

Entre os profissionais mais necessitados na Alemanha, estão engenheiros elétricos, metalúrgicos, cozinheiros, enfermeiros, cuidadores de idosos, informáticos e programadores de software. Berlim considera angariar mão de obra do Brasil, México, Filipinas, Índia e Vietnam, entre outros.

No tocante a apreensões entre os setores da população refratários a imigrantes, o ministro do Trabalho Hubertus Heil declarou ao jornal Augsburger Allgemein que no recrutamento “não se trata de imigração descontrolada, mais sim de gente qualificada de que precisamos para que nosso país permaneça economicamente forte no futuro”.

 

Deutsche Welle

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *