Partido conservador vence eleição antecipada na Áustria

Superando enquetes, ÖVP obtém melhor resultado de sua história. Populista de direita FPÖ despenca após escândalo de corrupção. Ex-premiê Sebastian Kurz, retirado do cargo por moção de censura, deverá voltar fortalecido.

30/09/19 – 09h37

O Partido Popular (ÖVP), liderado pelo ex-chanceler federal Sebastian Kurz, venceu as eleições legislativas antecipadas na Áustria, neste domingo (29/09). A sigla conservadora obteve 37,1% dos votos, uma vantagem de mais de 15 pontos percentuais sobre o Partido Social-Democrata (SPÖ), que conquistou 21,8%.

O resultado confirmou as pesquisas de intenção de voto, que apontavam uma vitória clara do premiê, porém seu triunfo foi mais amplo do que o previsto. Por sua vez, o populista de direita Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), que governava em coalizão com Kurz, despencou dez pontos percentuais em relação ao pleito de 2017, ficando com apenas 16% das urnas. Seu líder, Norbert Hofer, já declarou estar se “preparando para fazer oposição”.

Os Verdes conquistaram 13,9% dos votos, o que lhes permitirá retornar ao Conselho Nacional. Especula-se que a legenda possa ser a próxima parceira de coalizão do ÖVP. Na votação de 2017, após a renúncia de sua líder e disputas internas, o partido ambientalista não alcançara o mínimo de 4% dos votos. Por último, o econômico-liberal Neos obteve 7,8%, enquanto a lista JETZT ficará de fora do parlamento federal austríaco.

Deixando populistas de direita para trás

O democrata-cristão ÖVP foi o principal beneficiário da perda de votos dos ultradireitistas, abalados por um escândalo de corrupção que forçou a renúncia de seu então líder, Heinz-Christian Strache. O ex-vice-chanceler federal foi filmado secretamente em 2017 na turística ilha de Ibiza, quando oferecia favores políticos a uma falsa milionária russa em troca de doações ilegais para sua campanha eleitoral.

O escândalo detonou a coalizão ÖVP-FPÖ. O partido de extrema direita vingou-se, lançando uma moção de censura que catapultou o premiê do cargo e forçou as atuais eleições. Tendo permanecido apenas 17 meses, Kurz se tornou o chefe de governo austríaco com o mandato mais breve, desde a Segunda Guerra Mundial. Agora, contudo, salvo surpresas, ele estará de volta à Chancelaria Federal em Viena.

Com 33 anos, Sebastian Kurz deixou de ser uma promessa da política austríaca para se tornar a principal referência da centro-direita no país. Ex-secretário de Estado e ex-ministro do Exterior, ele comanda o ÖVP desde 2017, quando reorganizou o partido e lhe garantiu 31,7% dos votos, o maior resultado eleitoral de sua história, até então, superado no atual pleito em 5,6 pontos percentuais.

O provável novo chanceler federal é, ao mesmo tempo, o político mais popular e mais odiado da Áustria. Celebrado por seus eleitores como jovem estrela que vai modernizar o país, Kurz é visto pela oposição como sedento de poder e inescrupuloso.

 

Deutsche Welle

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *