Exames constatam metais no sangue de bombeiros em Brumadinho

Testes revelam quantidades excessivas de alumínio e cobre, o que pode servir como indício de que estes materiais estavam presentes na lama que se espalhou após rompimento da barragem da Vale.

20/02/19 – 09h43

Exames médicos realizados em quatro bombeiros que participam das operações de resgate na região de Brumadinho indicaram a presença excessiva de metais no sangue. Em três casos foi constatado alumínio, e em outro, cobre.

Segundo um comunicado do governo de Minas Gerais divulgado nesta terça-feira (19/02), a alteração dos parâmetros de metais no sangue não significa que houve intoxicação e os bombeiros afetados não apresentaram quaisquer sintomas.

O monitoramento das quantidades de metais no sangue dos profissionais de resgate que trabalham na região do Córrego do Feijão vem sendo feito periodicamente desde o rompimento da barragem de rejeitos de mineração no local, no dia 25 de janeiro.

Ainda segundo a nota, espera-se que após o fim da exposição dessas pessoas aos rejeitos, o nível de metais no sangue seja normalizado.

A constatação da presença desses materiais no sangue dos bombeiros pode servir como indício de que havia de fato metais nos rejeitos que se espalharam pela região após o rompimento da barragem da Vale.

A Vale e a Advocacia Geral da União (AGU) firmaram um acordo preliminar na última sexta-feira para a contratação de laboratórios especializados capazes de realizar testes em ao menos 100 locais próximos ao rio Paraopeba, onde amostras colhidas dos rejeitos já havia detectado a presença de metais. A AGU entrou com uma ação na Justiça exigindo que a empresa pague pelos exames.

Especialistas do Sistema único de Saúde (SUS) colheram amostras em dezenas de locais na bacia do Paraopeba, mas devido às dimensões da catástrofe, o órgão avalia ser necessário ampliar os pontos de coleta de água e a frequência dos exames. A tragédia de Brumadinho deixou, até o momento, 169 mortos e 141 desaparecidos.

 

Fonte: Deutsche Welle

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *